segunda-feira, 20 de julho de 2009

Protozoários


O Reino Protista (antigamente chamado de "protozoa", vem do grego proto, primeiro + zoon, animal), conhecidos popularmente como protozoários, agrupa todos os organismos eucariontes (com núcleo celular organizado), unicelulares, principalmente heterotróficos (que não realizam a fotossíntese), mas incluindo alguns autotróficos e com locomoção própria, quer utilizando cílios ou flagelos, quer com movimento amebóide (mudando a forma do corpo pela emissão de pseudópodes, do grego, pseudo = falso e podo = pés).

Protozoa foi, por muitos anos, o nome de um filo do reino Animalia, entretanto, este não era um agrupamento filogenético natural. Evidências obtidas com microscopia eletrônica, estudos do ciclo de vida, genética, bioquímica e biologia molecular mostraram que este grupo abrangia pelo menos sete filos, segundo a Sociedade dos Protozoologistas que, em 1980, publicou uma nova classificação para os protozoários. Este novo agrupamento, que é parafilético, reúne, além dos antigos membros do filo Protista, vários outros que Linnaeus tinha incluído no reino Plantae, como as algas vermelhas (Rodophyta) e as algas castanhas (Phaeophyta).

São encontrados em lugares úmidos, desde água doce, salobra ou salgada, no solo ou em matéria orgânica em decomposição, e até no interior do corpo de outros protistas, plantas ou animais.
Em grande maioria, a reprodução é de forma assexuada por bipartição e em outros casos por reprodução sexuada, por conjugação.

A disciplina que estuda os protozoários denomina-se Protozoologia.

Protozoários, na acepção antiga, incluía apenas seres unicelulares, na maioria heterotróficos, mas com formas autotróficas e com mobilidade especializada. Esta última serviu de critério para sua taxonomia. A maioria deles é minúscula, medindo de 0,01 mm a 0,05 mm aproximadamente, sendo que algumas exceções podem medir até 0,5 mm como, por exemplo, os foraminíferos. Sua forma de nutrição é muito diferenciada, pois podem ser predadores ou filtradores, herbívoros ou carnívoros, parasitas ou mutualistas. A digestão é intracelular, por meio de vacúolos digestivos, sendo que o alimento é ingerido ou entra na célula por meio de uma "boca", o citóstoma.

A célula é muito especializada, e cada organela tem uma função vital. O sistema locomotor é um dos mais especializados, com flagelos, cílios, membranas ondulantes, cirros ou pseudópodes. Há um sistema hidrostático, constituído de vacúolos pulsáteis que eliminam o excesso de água que entra na célula por osmose nos protozoários dulcícolas, estabelecendo assim o equilíbrio osmótico. O citoesqueleto também é especializado para manter a forma da célula, emissão de pseudópodes, locomoção, movimentação de vacúolos digestivos, entre outras funções necessárias. Pode haver exoesqueleto em algumas espécies.

Estes organismos estão presentes em todos os ambientes por causa de seu tamanho reduzido e produção de cistos desenvolvidos.

A forma de locomoção é a principal característica taxonômica para diferenciar espécies. São muito usados como indicadores de qualidade do ambiente, sendo que águas poluídas normalmente têm protozoários característicos em abundância.

Nenhum comentário: