sexta-feira, 3 de junho de 2011

Impactos dos acidentes e doenças

Por que devemos prevenir os acidentes e doenças decorrentes do trabalho?

Sob todos os aspectos em que possam ser analisados, os acidentes e doenças
decorrentes do trabalho apresentam fatores extremamente negativos para a empresa,
para o trabalhador acidentado e para a sociedade.
Anualmente, as altas taxas de acidentes e doenças registradas pelas estatísticas oficiais
expõem - os elevados custos e prejuízos humanos,sociais e econômicos que custam muito
para o País, considerando apenas os dados do trabalho formal.


O somatório das perdas, muitas delas irreparáveis, é avaliado e determinado levando-se
em consideração os danos causados à integridade física e mental do trabalhador, os
prejuízos da empresa e os demais custos resultantes para a sociedade.

Acidente do trabalho, revendo conceitos::

Estima-se que, no Brasil, as micro e pequenas empresas representem 98% do total de
empresas existentes, ou seja, 4,1 milhões. Só na indústria, elas concentram 46,20% do
número total de trabalhadores formalmente contratados, aí a sua importância para a
economia nacional.

Pela contribuição que as micro e pequenas empresas podem oferecer para a redução do
número de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, significando maior
competitividade, redução de custos e melhoria das condições e dos locais de trabalho,
elas necessitam ser estudadas e orientadas, levando-se em conta suas principais
características:

Estão presentes na maioria dos setores da economia;
Concentram a maioria dos trabalhadores formais e informais, especializados ou não;
Têm maior capacidade de fixação da mão-de-obra local;
Possuem tratamento jurídico diferenciado;
Não pertencem a grandes grupos econômicos e financeiros;
São resistentes à burocracia e ao cumprimento de normas ou regras;
São fortemente impactadas por acidentes, danos patrimoniais ou outros tipos de prejuízos;
São flexíveis, ágeis e adaptam-se rapidamente às mudanças e exigências do mercado;
São avaliadas no preço, qualidade e reputação de seus produtos e serviços, e de
forma ética pela proximidade com a comunidade;
Assumem ações e posições no mercado que as grandes empresas não conseguem assumir;
A comunicação é direta e a dinâmica interna é mais informal;
O próprio dono é o responsável pela gestão de segurança no trabalho;
Existe estreita relação pessoal do proprietário com os empregados, clientes e fornecedores;
Necessitam do envolvimento, cooperação e participação de todos para identificar,
eliminar ou neutralizar os riscos do local de trabalho;
Possuem maior facilidade de criar ou incorporar às suas especificidades boas práticas
para prevenção de acidentes e doenças; e
Podem ser influenciadas ou cobradas pela sociedade ou por empresas maiores para
adoção de práticas de prevenção de acidentes e doenças.